Esporte | Vôlei

Quinta-feira, 17 de Maio de 2018

Brasil testa limites contra a Sérvia e tenta embalar na Liga das Nações

Quando deixou a quadra do ginásio José Corrêia no fim de tarde de quarta-feira, José Roberto Guimarães tinha um sorriso no rosto. Mais do que a vitória, a atitude da seleção na partida contra o Japão fez o técnico respirar aliviado. Depois de uma atuação ruim contra a Alemanha, a vitória diante das asiáticas animou o treinador para a sequência da Liga das Nações. Nesta quinta-feira, a equipe encara a Sérvia, às 15h, no embate que promote ser o mais complicado da primeira rodada da competição. A TV Globo, o SporTV e o GloboEsporte.com transmitem a partida ao vivo.

Nas últimas temporadas, a Sérvia se firmou entre as principais seleções do mundo – foi, por exemplo, prata nos Jogos do Rio. Em Barueri, conta com a maioria de suas estrelas, como Ana Bjelica, Brankica Mihajlovic e Tijana Boskovic – o desfalque é a central Milena Rasic. Por isso, a preocupação do treinador.

- Foram algumas horas muito difíceis depois da derrota, porque o time não jogou com o espírito que costuma jogar. Contra o Japão, foi diferente. Estamos buscando as melhores situações, os ajustes em cada posição. A Sérvia é o time favorito, o que tem melhores condições. As principais jogadoras são as atacantes, a Mihajlovic e a Boskovic. São o desafogo, muito difíceis de serem marcadas. É bom a gente passer por esses perrengues. Porque é o que precisamos. Para evoluir, para melhorar.

Para chegar à segunda vitória, Zé conta com Adenízia. Um dos destaques da partida contra o Japão, a central representa a mudança de temperamento do time dentro de quadra. Ela espera que a postura se mantenha contra as sérvias.

- O grupo está tão fechado que fica fácil fazer qualquer coisa. Contra a Alemanha, faltou espírito, era o primeiro jogo, time sem estar entrosado. Contra o Japão, fomos agressivas. Esse é o Brasil: alegre e agressivo. E não podemos deixar isso morrer jamais.

 

Contra a Sérvia, Adenízia sabe que o desafio será ainda mais complicado. Por isso, dá a receita em quadra.

- A Sérvia tem grandes nomes. É o atual vice-campeão olímpico. Vai ser diferente. Vai ser tiro, porrada e bomba. Precisamos estar fortes.

Globo Esporte

COMPARTILHE

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

* Ao enviar o comentário você aceita os termos de uso do site.