Notícias da Região | Natureza

Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2017

Com 12 dias de vida, filhote de onça-pintada já pesa 2,6 kg

A onça-pintada (Panthera onca) fêmea nascida no dia 28 de dezembro de 2016, no Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), passou pela primeira pesagem na manhã desta segunda-feira (9). O manejo aconteceu durante uma limpeza do recinto onde mãe e filha estão acomodadas. O filhote pesa 2,6kg, dentro do previsto pelos profissionais do RBV.

O nascimento inédito no local ocorreu três meses após aproximação entre o macho Valente, morador antigo do refúgio, e a fêmea Nena, recém-chegada de uma fazenda na divisa entre Mato Grosso do Sul e Goiás.

O filhote é melânico como a mãe, ou seja, tem a pigmentação negra em função da quantidade de melanina. De acordo com o médico veterinário do RBV, Wanderlei de Moraes, o filhote está saudável, com os olhos abertos e respondendo bem aos estímulos. A onça deve ter nascido com 700 a 900 gramas e está com um bom peso. “A gente nota que ela está bem gordinha e reagiu quando a pegamos. Os olhos foram abertos antes dos 15 dias, como era esperado”, resumiu. Ainda assim, no primeiro mês de idade, o filhote só tem contato com os tratadores e pesquisadores do RBV.

A onça-pintada nasceu de uma ninhada de dois filhotes, nos dias 28 e 29 de dezembro. O outro filhote, também uma fêmea, foi encontrado morto no dia 1º de janeiro. Segundo Moraes, uma das hipóteses é que a mãe, ainda sem experiência em cuidar dos filhotes, tenha se deitado em cima de um deles. Outra teoria é que a mãe tenha tentado proteger os recém-nascidos do barulho dos fogos, na virada do ano, deitando sobre eles.

“Nós ficamos tristes com a perda de um dos filhotes, mas na natureza isso é bastante comum”, explica Moraes. De acordo com ele, entre os felinos e outras espécies de animais são normais as ninhadas com muitos filhotes, porque nem todos chegarão à vida adulta. “É um mecanismo de defesa para perpetuação da espécie, que no cativeiro acaba não acontecendo, porque nós tomamos os cuidados, tentando fazer que todos os filhotes sobrevivam”.

Simulação da vida selvagem

Depois de feita a pesagem, o filhote de onça-pintada voltou ao contato com a mãe. Nena está isolada e fora de exposição desde o final da gestação, no início de dezembro passado. O principal cuidado no manejo é não estressar os animais e acompanhar, de tempos em tempos, se o filhote está saudável e se desenvolvendo. Mãe e filha ficarão juntas por pelo menos seis meses até que o filhote tenha condições de se alimentar sozinho e nadar, para que as duas possam ficar soltas na área de exposição, onde existe um pequeno lago. Como acontece na natureza, a filha não entrará em contato com o pai e, possivelmente, será levada para outro refúgio quando estiver na idade adulta.

 

http://cdn.massanews.com/uploads/noticias/lg-c96ba341-4f7f-4c38-8c57-461678e8cf8d.jpg

http://cdn.massanews.com/uploads/galerias/or-3c7fb11e-6416-443c-9777-f6f3bd456947.jpg

http://cdn.massanews.com/uploads/galerias/or-6365d1da-e000-4fe8-a61d-bd5979706e4c.jpg

http://cdn.massanews.com/uploads/galerias/or-41a68a16-456d-49c5-a6d2-38d72f554be4.jpg

http://cdn.massanews.com/uploads/galerias/or-dbb3999b-1983-4faf-91b1-7e12203b96be.jpg

Massa News

 

 

COMPARTILHE

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário