Notícias da Região | Operação Quadro Negro

Quinta-feira, 17 de Maio de 2018

"Não varri nada para baixo do tapete", diz Beto Richa

O ex-governador do Paraná e pré-candidato ao Senado Beto Richa (PSDB) falou nesta quarta-feira (16) sobre o interrogatório do principal delator da Operação Quadro Negro e dono da construtora Valor, Eduardo Lopes de Souza, que afirmou ter dado dinheiro de desvios para campanhas do político.

Richa, que participou de sabatina da Gazeta do Povo nesta quarta, nega as acusações feitas pelo delator e diz ter partido dele o início da investigação que apura desvios de R$ 20 milhões da construção e reforma de escolas estaduais. "Não varri nada para baixo do tapete", afirma.

Segundo ele, todos os suspeitos foram demitidos do governo após o início da investigação. "Todos estão com bens indisponíveis para ressarcimento integral aos cofres públicos do dinheiro desviado", diz.

Beto Richa, que é pré-candidato ao Senado, participou nesta quarta-feira (16) de uma sabatina na Gazeta do Povo (Foto: Rodrigo Brito/RPC)

Beto Richa, que é pré-candidato ao Senado, participou nesta quarta-feira (16) de uma sabatina na Gazeta do Povo (Foto: Rodrigo Brito/RPC)

Richa afirma também que "virou moda" no Brasil terceirizarem o problema para "fugir das garras da Justiça". "Eu não recebi nenhum centavo desse criminoso. Não sou ladrão como ele é. E não aceitaria jamais", aponta.

O ex-governador diz estar "absolutamente tranquilo" quanto às acusações e conta que espera que a justiça seja feita.

Beto Richa nega que dinheiro desviado foi para campanha

Beto Richa nega que dinheiro desviado foi para campanha

Ex-diretor da Secretaria de Educação

Questionado sobre o ex-diretor da Secretaria de Educação Maurício Fanini, preso na operação, o ex-governador diz ter sido traído. "Conduta vergonhosa", classifica. Ele afirma também que ficou "extremamente decepcionado".

Beto Richa fala sobre ex-diretor da Secretaria de Educação preso

Beto Richa fala sobre ex-diretor da Secretaria de Educação preso

Áudios de ex-chefe de gabinete com construtor

Áudios entre o ex-chefe de gabinete do governo Richa, Deonilson Roldo, e um construtor que teria interesse em participar de uma licitação do projeto de duplicação da PR-323, indicam que o governo atuou na tentativa de direcionar a licitação para a Odebrecht na obra, em 2014.

O ex-governador afirma que a conversa divulgada entre eles foi reprovável. "Não teve qualquer direcionamento do governo. Fiz um governo ético com absoluto zelo nos recursos", indica.

Beto Richa comenta sobre áudio de ex-chefe de gabinete com construtor

Beto Richa comenta sobre áudio de ex-chefe de gabinete com construtor

Investigado por Moro

O juiz Sérgio Moro assumiu, no sábado (12), as investigações sobre o ex-governador e determinou que a Polícia Federal (PF) abra um inquérito contra ele para apurar o suposto favorecimento à Odebrecht na licitação da PR-323.

Na decisão, Moro afirmou que é dele a competência para julgar os fatos relacionados à campanha a reeleição de Beto Richa em 2014 porque nesse caso haveria suspeita de contrapartida com uma intervenção do governo do estado na licitação para as obras na rodovia.

"Isso é um absurdo. Não tem a menor consistência", garante o ex-governador.

Beto Richa fala sobre envio de ação do STJ para Moro

Beto Richa fala sobre envio de ação do STJ para Moro

O que dizem os citados

As defesas de Maurício Fanini e Eduardo Lopes de Souza não quiseram se manifestar. A reportagem não conseguiu contato com Deonilson Roldo nesta quarta.

Em nota, na semana passada, ele disse que foi vítima de chantagem, que não houve pedido de favorecimento, nem prejuízo ao estado, e que nunca sugeriu direcionamento na licitação da PR-323.

G1

COMPARTILHE

COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário

* Ao enviar o comentário você aceita os termos de uso do site.